Sobre Não Ter Filhos

Eu e minha esposa tomamos uma decisão muito importante para nossa vida quando nos casamos: não queremos ter filhos. E não é uma questão de não querermos ter filhos nos primeiros cinco anos do casamento, é não ter filhos nunca.

Pra nós, é uma decisão perfeitamente sensata, como escolher qual casa comprar, onde passar as próximas férias ou se vale a pena largar um emprego que paga bem porque o ambiente é ruim, mas para a maioria das pessoas isso não tem que ser decidido, já que casais DEVEM ter filhos. E lá vem a polêmica.

Não queremos ter filhos por causa de todas as implicações que isso traz: uma vida atrelada a um terceiro ser, que nos faria deixar de curtir muita coisa para receber nossa atenção; altos gastos com saúde, educação e moradia; preocupação eterna e uma carga de responsabilidade enorme.

Muitos nos acusam de sermos egoístas. Pois bem, egoísmo é dedicar-se unicamente a seus próprios interesses. É quase uma agressão ao terceiro, que fica excluído. Mas como agredir alguém que ainda não existe? É tentador falar de egoísmo nessa situação, mas este é um conceito que não se aplica neste caso.

Outros nos dizem que temos que deixar uma herança, um legado, uma semente. Pura desculpa de quem acha que é eterno. Ter filho dificilmente nos fará ser lembrados por mais tempo que o normal depois da nossa morte. Nossos bisnetos provavelmente vão falar muito pouco sobre nós, assim como nós mal falamos sobre nossos bisavós. O que dizer então de trisnetos: eu não sei o nome de nenhum dos meus trisavós, e duvido que alguma de minhas leitoras saiba isso de cabeça.

Há aqueles que dizem que é preciso abrir mãos de algumas coisas boas na vida para poder curtir outras coisas boas. No caso, elas se referem a abrir mão de uma vida de idas a shows de rock que duram até de madrugada, sexo na sala e noites de sono tranquilas para poder curtir o sorriso de uma criança quando você chega em casa no fim do dia, o aprendizado que é ser pai/mãe e acompanhar o milagre de uma nova vida e personalidade se formando com a sua ajuda.

Mas não veem que estamos fazendo a mesma coisa: abrindo mão de algumas coisas boas para poder curtir outras coisas, só que numa ordem diferente do parágrafo acima.

Tem também aqueles radicais que mandam um “o que vai ser do mundo se todo mundo pensar igual a vocês?!”. Oras, que argumento mais besta é esse! É mais fácil um cometa bater na Terra e matar todo mundo do que todo mundo passar a pensar igual a nós, a começar pela própria pessoa que usa esse argumento. Se ela própria é contra, já fica impossível o mundo todo pensar igual a gente, não?

Claro que há pessoas que entendem, ou apenas aceitam, a nossa posição, sem tentar nos converter ou crucificar, mas são raras. A maioria, ao que parece, é da turma que confunde diferente com errado e tenta mudar nossas cabeças.

5 comentários:

TiagoFrossard disse...

Pois então, Mário... Qualquer um que vier aqui dizer que vcs tão certos ou errados em não ter filhos perdeu o que eu considero o ponto principal do texto: independente de qual seja a posição de vcs dois, vocês entraram em um consenso. Vocês analisaram os prós e contras e, aí sim, escolheram o que acharam melhor para vocês.

Isso, por si só, já tira qualquer viabilidade de qualquer um que queira vir com um argumento contrário, tentando provar por A+B que vocês estão errados. Mesmo assim alguém VAI encher o saco achando que vocês deveriam achar não o que acham mas, sim, contrário. Para esses casos, sempre tem aquela "Pague minhas contas e resolva meus problemas. Até lá, não venha querer também decidir minha vida".

Meus parabéns, hoje, não vão pelo texto ou pelo que está escrito nele. Meus parabéns, hoje, vão pela maturidade que o casal tem para discutir e decidir juntos o que é considerado o melhor para os dois. Mesmo que isso não seja tão simples quanto onde passar as próximas férias.

Mário Marinato disse...

Valeu pelo elogio, Frossard. A gente tenta ser o melhor casal possível, sempre!

Michelle Santos disse...

(Clap clap clap)
Fiquei sabendo agora. Parabéns pelo texto e pela decisão. Saibam que respeito e apoio. O cientista de Inferno ficou feliz por vocês também. Hauahuahaha

Raquel Faria disse...

Tomei essa decisão há anos na minha vida e sofro o julgamento quase que diário! Família me apontando dizendo o que tenho ou nao fazer, relacionamentos terminados no momento em que eu disse "nao terei filhos", amigos que nao entendem... Enfim... Pra mim sobra trabalho, pra quem me critica deve estar faltando. Muita gente preocupada com o que devemos fazer... A humanidade está chata! Muito chata!

Diego Botelho disse...

Mário, como pai confesso que, num primeiro momento, tanto o título como o texto chocam a quem não pensa como vocês, mas isso é uma decisão que cabe apenas a vocês dois e mais ninguém.

Infelizmente não tem como fazer um testdrive pra saber se é bom ou não rs.

Na minha vida particularmente foi a melhor coisa que poderia ter acontecido pois não há viagem no mundo que supere um "papai eu te amo" ou "brinca comigo papai". Enfim, Deus é tão perfeito que muda nossa forma de pensar depois da paternidade e nos faz abrir mão de alguns prazeres para servir a outro ser humano de forma quase que idiota pra quem vê de fora.

Quero mais uma vez manifestar meu apoio e se no futuro vocês mudarem de decisão vou apoiar ainda mais!!!

Parabéns por externar sua decisão num assunto tão polêmico e que só diz respeito ao casal.

Grande abraço!