desVantagens do Firefox

Vocês deixaram uns comentários tão interessantes que o artigo sobre a instalação do Firefox vai ficar pro próximo. Vamos ver aqui os pontos levantados.

O Opera: já usei este navegador há muito tempo atrás. Muito tempo mesmo. Tanto que não sei se minha opinião hoje ainda vale alguma coisa. Na época eu não gostei por causa dos anúncios forçados. Apesar de ser gratuito como o Firefox, o Opera ganha dinheiro com a sua versão paga (esta sem anúncios) e com a exibição de propaganda na versão free. Daí que esta propaganda ocupa um espaço considerável da tela. De qualquer maneira é uma alternativa interessante.

Os problemas em certas páginas: isso aí é verdade, e eu já os enfrentei algumas vezes: para tirar segunda via de conta na Telemar, para pegar material no site da Estácio de Sá e ontem mesmo na hora de fechar uma compra no site Super Canguru. Mas, como o Tiago bem disse, este não é um problema do Firefox. O problema, na verdade, está em quem desenvolveu o site.

Assim como tudo hoje em dia que é feito em escala, existem certos padrões a serem seguidos na criação de páginas da internet. Estes padrões não são obrigatórios, claro, mas são criados e definidos para que todos falem a mesma língua, sem necessidade de traduções. Aí o que acontece é que a Microsoft, querendo fazer programas super amigáveis tanto para usuários quanto para programadores, embute no Internet Explorer muitas funcionalidades extras, indo além do que prega o padrão. Em conseqüência, os desenvolvedores "safos", amantes destas novidades, fazem sites quem atendem aos requisitos SÓ do Internet Explorer. Ou seja, eles falam uma língua diferente da padrão.

Aí que qualquer outro navegador que pega aquela página pra ler e dá de cara com comandos que não conhece, faz o que? Nada! Ele pára. E daí não exibe a segunda via da conta, não abre a sala de aula virtual, nem fecha a compra de naquela loja virtual cheia de descontos maravilhosos. E isso, posso apostar, também acontece em qualquer outro navegador que não conheça os comandos especiais do Internet Explorer. Não é, Thiago?

Parece que é uma coisa banal mas é um absurdo sites assim existirem! Para fazer uma comparação, usemos uma metáfora: existem as estradas. E existem carros que andam por estas estradas. Aí vem uma montadora doida e cria carros com pneus que andam bem mesmo quando o asfalto está cheio de cacos de vidro. O que fazem as empresas que administram as estradas? Passam a fazer estradas com cacos de vidro, só porque aquela montadora é a mais famosa. Veja bem, a administradora da estrada NÃO tem convênio com a montadora, NÃO participa nos lucros da montadora, mas passa a seguir um preceito que NÃO é o padrão do mercado, impedindo que TODOS os outros carros andem naquela estrada. De quem é a culpa? Das montadoras que fazem carros incapazes de andar sobre vidro? Pense bem.

Ou seja, ao usar o Firefox, quando der de cara com um site que não funciona, não xingue o navegador. Faça o contrário, mande um email educado para o desenvolvedor. Mostre a ele que ele pode estar perdendo grandes negócios ao deixar de seguir os padrões. É o que vou fazer hoje depois de terminar de escrever este artigo.

ESTUDO DE CASO: Durante todo o final de semana estive tentando fazer uma compra no site Super Canguru, que tem ótimos livros de informática com descontos espetaculares, só que na hora de fechar a compra a coisa estava dando pau. Tentei, xinguei e desisti. Na segunda-feira de manhã eu tentei no serviço (também com Firefox) e não deu certo. No final do dia veio o estalo. Tentei no Internet Explorer e funcionou. Fechei a compra. Agora vejam bem: vou indicar o site para meus amigos da faculdade, porque este site tem muitos livros ótimos que interessarão a eles. Por ser um pessoal mais antenado, a maioria dos meus colegas usa o Firefox. Imagina se uns 15 forem lá e desistirem de fazer compras de R$ 150,00 ou R$ 200,00 porque o site não fecha a compra. Ó o prejuízo. Vou escrever pra eles e contar o caso. Vamos ver se eles acordam.

A importância de os sites se adequarem ao padrão e não ao Internet Explorer é questão de sobrevivência. Talvez eu fale grego agora, mas tentem acompanhar: o Linux está pouco a pouco se tornando mais acessível ao usuário doméstico. E agora que o notebook e o micro popular estão chegando às pessoas mais carentes, o Linux vai lentamente se disseminando. E ele não roda o Internet Explorer. Será que os sites vão dar as costas a todo este contingente de visitantes? Só se quiserem definhar.

Pra fechar, transcrevo aqui o que Tiago escreveu nos comentários: "o IE passa por cima de trocentas normas básicas de segurança para melhorar a vida do usuário lerdo. Por exemplo, aquela janelinha do MSN que pipoca assim q vc recebe um eMail e que, ao clicada, abre diretamente o eMail recebido. Prá fazer isso o IE atropelou umas 4 regras básicas de segurança, abriu 3 portas para que você perdesse teu MSN e mais umas 4 para entrada de vírus". Muitas vezes, nesta abertura de uma porta para facilitar a vida do usuário, a Microsoft deixa sua máquina vulnerável a ataques, que entram exatamente por esta porta aberta.

É isso então. Ficam aqui as suas duas opções: ou você se expõe em troca de uma navegação mais "fácil", ou então navega tranqüilo e, só quando for necessário, abre o chato do Internet Explorer.

2 comentários:

TiagoFrossard disse...

Opa, eu fui citado. Isso significa que vai pro meu currículo!


Falando em currículo, Mário, dá pro senhor zipá as fotos do churrasco e mandá pro meu gmail? Tava querendo diversificá o fotolog, esperei, esperei mai ninguém mandou foto alguma. Resultado: tive q iniciar com as minhas próprias -.-

Priscila disse...

Ei! Cadê o Mário?? Volta, Mário!!