Crônica: Tráfico de Drogas

- Boa tarde, eu gostaria de falar com o Sr. Mário.
- Pois não, sou eu.
- Sr. Mário, eu sou o delegado Sérgio Valle, da Polícia Federal.
- Sim.
- Entrei em contato com o senhor devido a uma suspeita que temos quanto à sua correspondência.
- Alguma coisa a ver com os cds do Elton John que eu encomendei?
- Não, não. Tem a ver com os constantes pacotes que o senhor tem recebido do indivíduo que responde pelo nome de Branco Leone.
- Mas...
- Nada de mas, Sr. Mário. Apenas me ouça. Há meses meu departamento vem monitorando as correspondências que chegam ao seu endereço, todas enviadas pelo Sr. Branco, sendo algumas com mais de dez quilos.
- Eram meus livr..
- Já descobrimos também que vocês dois andam usando pseudônimos. Branco Leone, na verdade, não existe. É apenas uma fachada para as atividades de Albano Martins Ribeiro.
- Sim, atividade liter..
- E sabemos que Mário Marinato também é um nome falso.
- É meu nome artístico.
- Ah, nome artístico. Assim como Zé Pequeno e Fernandinho Beira Mar?
- Não, n...
- Sr. Mário, fique sabendo que o senhor e o Albano Martins Ribeiro serão investigados por suspeita de tráfico de drogas.
- Não! Não são livros de auto-ajuda! É apenas literatura independente!

4 comentários:

Tiago Frossard disse...

Enquanto não começarem à nos seguir toda 5a feira, tá ótimo prá mim ;)

Priscila disse...

Adorei, Mário! Tava com saudade das suas crônicas...:)

Fernanda Aires disse...

Isso foi sério, amigo???

Mário Marinato disse...

Tiago, pode deixar que este tipo de droga ainda é lícita.

Priscila, valeu o 'adorei'. Pode deixar que virão mais por aí.

Fernanda, foi sério nada! Por acaso você não entendeu a piada?