As Baboseiras que Mais Ouço no Cartório

Trabalhar com público é legal porque você ouve tudo quanto é tipo de absurdo, e alguns, claro, são recorrentes. Listo aqui aqueles com os quais mais me deparo no balcão do 2º Ofício de Cachoeiras:

Autentificação - Já falei disso antes no antigo Sarcófago. O certo é autenticar, sem FI. Pense em "autêntico". Tornar autêntico é... autenticar. Simples assim.

Adevogado - Esta não vem só de gente iletrada não, já tive professoras lascando essa na minha frente.

Resistro - Uma das campeãs, sai até mesmo da boca de gente com nível superior.

Uso Campeão - Sabe quando a pessoa vive muito tempo em um terreno que não é seu e então entra com processo na justiça para passar a ser o legítimo dono? Pois é, apesar de sair vencedor, o cara não é campeão de nada. O certo é usucapião.

Usos e Frutos - Esta poucos sabem falar e poucos sabem o que realmente é. Usufruto, grosso modo, é o direito de usufruir de algo que é de outra pessoa.

Reconhecer firma da xerox - Como se a xerox soubesse assinar... Na verdade, as pessoas querem é autenticar a xerox.

Autentificar / Resistrar uma firma - Variante da anterior. O que a pessoa quer de verdade é reconhecer a firma de um documento.

Autentifica isso pra mim, eu já tenho firma reconhecida aqui - Combinando as duas anteriores, a pessoa embola tudo. Pra autenticar, não precisa ter firma. E o certo não é ter firma reconhecida em cartório, é ter firma aberta no cartório.

Mas eu abri firma lá em Pirapora - Sempre acontece quando a gente diz que a pessoa ainda não abriu firma no cartório. Gente, estamos no terceiro mundo, não esqueçam disso. As coisas não são tão integradas assim.

Glerge, Crerge, Grédi, Crede, Clerde - Esta é unânime: ninguém sabe falar o nome da Guia de Recolhimento de Receita Judiciária, a velha GRERJ.

Os pobres analfabetos que confundem procuração com percuração são perdoados. Sempre.


Algumas outras não são tão recorrentes assim, mas merecem ser mencionadas:

Tem gente que quer reconhecer firma de quem não sabe assinar.

Uns raros confundem abrir firma com abrir uma empresa.

Certa vez, uma diretora de colégio perguntou qual era a procedência de um documento. Na verdade, ela queria saber qual o procedimento deveria tomar dali pra frente.

Numa outra ocasião, uma adevogada formada e com resistro na OAB me perguntou o que era súplica.

2 comentários:

Lucimara disse...

Olá,
também trabalho em cartório, mas em uma pequena cidade no Sul de Minas, e por aqui já aconteceu de uma pessoa tentar registrar um cão, com pedigree e tudo!
E as autenficações de xarope pro Juiz encher o varal são frequentes... rsrs
Sem falar no medo que as pessoas têm do que poderemos fazer com suas "firmas" abertas... querem levar o cartão para casa... rsrs
Achei seu blog legal...
t+

Mário Marinato disse...

Puts, registrar um cachorro? Fala sério!

Autentificação de xarope foi boa, mas não entendi o que seria "encher o varal".

Ah, e esse medo aí também já presenciamos aqui, bem lembrado, Lucimara.

Que bom que gostou. Volte sempre.