A Corregedoria é Linda: A Qualidade do Site

Como eu já falei recentemente, em meados de 2007 nós tivemos que começar a informar para a Corregedoria os dados de vários serviços que fazemos no cartório: reconhecimentos de firmas, procurações, escrituras, testamentos, inventários, e recentemente até mesmo os protestos e os registros de títulos e documentos. No outro artigo, comentei por alto que o site que nos foi disponibilizado era tão bom quanto a memória do meu tio que tem Alzheimer. Hoje vou entrar em detalhes sobre o martírio. Preparem-se, pois é uma mistura de O Chamado com Jogos Mortais.

O trabalho de cadastrar uma escritura se resume basicamente em digitar dezenas de dados em vários formulários online. O problema é que o site recarrega a página praticamente a cada campo preenchido! E cada recarregamento de página toma preciosos 20/30 segundos, em média.

Tente imaginar a cena: você vai cadastrar um participante e todos os campos estão habilitados. Você clica no item que informa que se trata de uma pessoa física e a página é recarregada para travar os campos de pessoa jurídica. Aí você vai naquelas caixinhas de escolha e diz que a pessoa é solteira. A página é recarregada para travar os campos "regime de casamento" e "nome do cônjuge".

Mas o melhor (ou pior, sei lá) é na parte de informar o tipo de escritura, pois há os tipos e os subtipos. Exemplos: Tipo Compra e Venda, Subtipo Compra e Venda com Prestação; ou Tipo Declaratória, Subtipo Declaratória de Reconhecimento de Filho. E por aí vai. Só que antes de informar o tipo, você tem que dizer se é uma escritura com valor declarado ou não, e faz isso clicando em um botãozinho. E dá-lhe página a ser recarregada, só para que nos "Tipos" conste apenas os tipos que tenham valor declarado. Aí você escolhe um tipo e tome-lhe página sendo recarregada, para que os "Subtipos" sejam apenas os daquele tipo.

Só que a coisa é feita para dar errado. Há casos em que um tipo não tem subtipo, logo a lista do site fica em branco. E então, quando vamos gravar os dados, o site reclama, exige e obriga que a gente defina um subtipo!! Mas, porra, como é que eu vou escolher o que não está lá?! Lançamos mão, então, de gambiarras para enganar o sistema.

E você acha que acabou? Nada disso. O sofrimento não pára por aí. Temos que informar também as custas cobradas pelas escrituras.

A tabela de custas da Corregedoria do Rio de Janeiro, por si só, é uma visão do inferno. Explicá-la para funcionários novos é um martírio e é praticamente impossível entender aquilo tudo. Mas para este nosso papo aqui, basta que vocês saibam que o preço dos serviços cartorários é formado de várias parcelas, e nós, pobres funcionários, temos que informar, uma a uma, cada uma destas parcelas no site.

Imagine então ter que informar que as parcelas são: Tabela 1, item 4, subitem III, valor R$ 3,49; Tabela 7, item 2, observação b, valor R$ 0,12; Tabela 1, item 9, valor R$ 1,01, etc. etc.

Funciona assim: você escolhe a tabela, a página recarrega para exibir os itens dela; você escolhe o item, a página recarrega para exibir os subitens; você escolhe o subitem, a página recarrega para você digitar a quantidade; você digita a quantidade, a página recarrega para você digitar o valor; você digita o valor, a página atualiza para recalcular o total; você clica em salvar e a página recarrega para incluir o valor na lista; você parte para a segunda parcela. Por sorte, uma escritura tem apenas três parcelas, mas e o protesto que tem oito? Como diria meu amigo Reynaldo, é um suplício chinês.

Isso sem contar que, às vezes, umas 30% das vezes, quando você escolhe a tabela ele não recarrega a página com todos os itens. Faltam alguns, entre eles o que você quer! Então você tem que escolher outra tabela, para ele recarregar os itens desta outra, para você então de novo escolher a primeira tabela, para ele recarregar os itens, enquanto você reza para que o seu esteja na lista.

E não acabou por aí: abaixo do formulário para inclusão das parcelas o site mostra as parcelas já incluídas, só que apenas três de cada vez. Se você tiver feito uma merda e tiver que modificar uma parcela incluída, vai ter que andar de grupo de 3 em grupo de 3 até encontrar a dita cuja (sempre, claro, recarregando a página). Encontrando, você clica em editar e espera a página recarregar!

Tá dando pra ter noção? Ou querem que eu filme?

A Corregedoria não é linda?

***


Leia outros artigos da série A Corregedoria é Linda.

2 comentários:

TiagoFrossard disse...

E eu aqui precisando trabalhar como Analista de Sistemas

Mário Marinato disse...

Somos dois, cara. Somos dois.