Que Caminho Tomar na Faculdade de Análise de Sistemas?

Há um tempo atrás uma leitora deixou um comentário aqui no Sarcófago, no artigo Dica para escolha de projeto final em faculdade de Análise de Sistemas:

"Oi Mário! Tudo bem? Meu nome é Tatiane e preciso fazer um projeto. Mas o que está ocorrendo é que eu ainda estou no terceiro período e não sei programar muito bem. O que c me aconselharia a fazer?"

Pois bem, Tatiane, se você ainda está no terceiro período isso é bom porque você ainda tem tempo suficiente para decidir no que focar seus estudos. É claro que você, enquanto faz a faculdade, tem que dar atenção a todas as matérias e não deixar nada passar em brancas nuvens, mas é bom, desde cedo, começar a se analisar e descobrir em qual área gosta mais de trabalhar.

Hoje em dia a informática está muito parecida com a medicina: existe um conhecimento básico que é comum a todos os profissionais, mas cada um se especializa em uma área específica. Tem gente que é focado em programação, outras em design, outras em bancos de dados, ou em web, ou em segurança, ou em qualquer uma das outras muitas possibilidades que esta área nos proporciona.

Eu, por exemplo, estou me direcionando para bancos de dados, tanto que minha pós é na área, mas ainda tenho uma forte queda por programação e análise. Vamos ver como isso fica no futuro. Mas não vou me distanciar da resposta à sua pergunta.

Você disse que não sabe programar muito bem. Se o seu interesse é programar Bem, assim mesmo, com letra maiúscula, o melhor que você pode fazer é cair de cabeça em uma linguagem específica. Fica tentando aprender um monte de coisa em cada uma delas só faz você perder o foco.

É importante, sim, conhecer por alto as linguagens mais usadas, para poder ler programas escritos por outras pessoas. Isso acontece muito comigo: eu programo em C++ com orientação a objetos, mas no meu atual emprego tenho que lidar com muito código fonte em Delphi estruturado. São duas linguagens e dois paradigmas diferentes, mas eu tenho um conhecimento mínimo necessário para pelo menos entender o que os velhos programas fazem. Só não me peça para programar um Alô Mundo em Delphi que eu não consigo.

Voltando, se você quer programar bem, existem várias linguagens nas quais você pode focar. PHP está ganhando espaço cada vez mais, substituindo em muitos lugares o ASP, e, aliado ao MySql, está se tornando a menina dos olhos de muitos programadores. Outras opções fortes são o Action Script 3.0, para flash, que está muito bom nesta terceira versão, e também Java ou Ruby, todas voltadas para programação web. Para ambientes desktop, C++, Delphi e VB são boas opções.

Mas e se você não quiser ser uma programadora excepcional? A execução de um projeto final passa longe de ser apenas programação, embora muitos só fiquem nela. Há muito de análise e design para fazer, muitos bancos de dados para se planejar, interfaces de usuários para desenvolver, documentação a criar, e todo o projeto a ser gerenciado. Isso sem entrar em muitos detalhes. Basta você escolher, pois opção é o que não falta.

Na época de fazer o projeto, é muito importante também escolher com quem fazer. Não vá nessa de fazer com os melhores amigos só porque são os melhores amigos. Aquilo ali é um trabalho sério e é muito mais importante você se juntar com gente competente e que tenha competências que você não tem, e que não tenha as competências que você tem, de forma que possam se completar e formar um time coeso.

Quando eu estava terminando a faculdade, uma dupla de amigos estava fazendo o seu projeto também, e cada um fazia uma parte diferente: o Douglas cuidava de toda a programação e o Tiago lidava com o design e toda a parte burocrática da coisa. Se deram bem e foram aprovados com uma nota espetacular.

Uma coisa importante, em qualquer caso é: para se preparar, não fique apenas com o que os professores ensinam na sala de aula. Sempre que puder, faça alguma coisa por fora. Crie um programinha bem simples, só pra praticar. Crie outro. Leia livros, sites e blogs sobre os assuntos que te interessam. Isso parece papo de aluno nerd que gosta de se mostrar para o professor, mas posso te assegurar que, na nossa área, é o melhor a se fazer, pois quanto mais você aprende, mais vê que ainda pode melhorar muito.

Resumindo, meu conselho pra você é: descubra o que gosta e caia de cabeça. Qualquer coisa mais, estamos aí.

***


Veja outros artigos que já escrevi sobre análise de sistemas e afins

***


Gosta do que eu escrevo e quer retribuir? Vá ao Submarino entrando aqui pelo Sarcófago e compre alguma coisa que eu ganho uma comissão. A casa agradece.

4 comentários:

Teilor disse...

Faço Ciência da Computação e estou seriamente inclinado a trocar de curso por algum mais fácil. Trabalho como programador e suporteiro em uma empresa que desenvolve softwares de automação comercial e adoro meu emprego. Não vejo muita dificuldade em usar as ferramentas de desenvolvimento que preciso no meu dia-a-dia.

Mas o bicho pega quando tenho que programar alguma coisa na faculdade.

As vezes penso que deveria ter ouvido meu orientador vocacional e feito direito.

Mário Marinato disse...

Teilor, pelo seu trabalho, que parece ser interessante e é o que você curte fazer, eu não indicaria um curso de ciência da computação, mas sim de sistemas de informação, que é o antigo curso de análise de sistemas.

O curso que você está fazendo pega muito mais nos problemas de matemática e algoritmos. Em análise de sistemas você pega mais programação e, principalmente, análise. É bem mais próximo do que você está fazendo.

Só, pelo amor de Deus, não se meta em fazer direito! :o)

Anônimo disse...

eu me escrevi para fazer analise de sitemas mais nao sou boa de matematica
o que eu faço???

Mário Marinato disse...

Anônimo, leia isso aqui: http://osarcofago.blogspot.com/2008/02/mitos-da-faculdade-de-anlise-de.html